Arcadismo no Brasil e Portugal

0
anúncios:
anúncios:

 

O arcadismo teve origem na Europa e chegou à Portugal no ano de 1756, nesta época o país explorava as suas colônias em função do déficit econômico a fim de conseguir atingir o equilíbrio.

arcadismo

publicidade:

Já no Brasil, o movimento veio a aparecer 12 anos depois, em 1768 onde a economia estava voltada para a extração do ouro e da mineração, foi quando os ideais revolucionários começaram a se desenvolver, especialmente sobre as influências diretas da Revolução Francesa e Industrial recorrentes na Europa e a independência de 13 colônias inglesas.

anúncios:

O Brasil vivia o período da escravidão, enquanto que na Europa o trabalho assalariado já era uma realidade. Em função disso, houve uma tendência de o eixo cultural seguir o econômico, com obras que destacavam os ambientes das cidades históricas mineiras, a exemplo de “Vila Rica”. Os pensamentos buscavam influência nas frases de Horácio “fugere urbem” – fugir da cidade e “carpe diem”- aproveite o dia.

O arcadismo marcava a simplicidade, ao contrário do Barroco, que possuía obras literárias complexas e de difícil entendimento, onde o exagero era seu principal foco.

anúncios:

Arcadismo – Características e Contexto

O contexto também pode ser conhecido como Neoclassicismo ao revelar as inquietações que antecederam o Romantismo, não sendo incorreto classificá-lo como Pré-Romântico. Segundo o que nos indica a história, o Arcadismo surge em referência à Arcádia, região campestre do Peloponeso, localizada na Grécia Antiga que é tida como a principal base de inspiração para da base poética introduzida no seguimento.

No arcadismo, a natureza é um dos elementos mais cultuados, ao mesmo tempo que se opõe a todos os exageros encontrados no Barroco. A linguagem é simples e faz o abandono de antíteses, paradoxos em ordem inversa e metáforas mais ousadas.

Veja Também: Fernando Carraro

Os poetas também adotavam pseudônimos pastoris, a exemplo de Cláudio Manuel da Costa será Glauceste (Alceste) Satúrnio: Tomás Antônio Gonzaga será Dirceu; Basílio da Gama, Termindo Sepílio; o português Bocage, Elmano Sadino entre outros.

As frequentes alusões aos deuses da mitologia e heróis podem ser encontradas de forma bastante frequente nas obras. No caso de Basílio da Gama, essa característica é substituída por fetichismo indígena.

Arcadismo em Portugal

Durante 1707 e 1750, no governo de João V de Portugal houve alterações no país possibilitando a abertura intelectual e política de forma que o arcadismo chegasse até Portugal.

Um marco importante para a época ocorre em 1956, com a fundação da “Arcádia Lusitana”, no qual era responsável por reunir os principais artistas para discussões sobre Arte. O “slogan” responsável por mover a corrente e difundir o movimento era “acabe-se com as inutilidades”.

Principais autores:

  • Cláudio Manuel da costa
  • Basílio da Gama
  • Frei José de Santa Rita Durão
  • Tomás Antônio Gonzaga

    Arcadismo no Brasil

A fundação da “Arcádia Ultramarina” trouxe a força do movimento para o país, em Vila Rica, assim como as publicações poéticas de Cláudio Manuel da Costa. As características incluem a introdução de paisagens tropicais, história colonial, nacionalismo, luta pela independência e a colônia como alvo das atenções.

Dentre os principais autores da época estão:

  • Frei Santa Rita Durão (1722-1784), responsável pelo épico “Caramuru”;
  • Cláudio Manuel da Costa (1729-1789) – “Obras Poéticas” e “Villa Rica”;
  • Basílio da Gama (1741-1795), responsável pelo épico “O Uraguai”;
  • Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810), com “Marília de Dirceu” e “Cartas Chilenas”;
  • Inácio José de Alvarenga Peixoto (1744-1793);
  • Silva Alvarenga (1749-1814), com “Glaura”.

Todos os ideais do iluminismo francês também foram trazidos da Europa pelos membros da burguesia letrada brasileira, destacam-se juristas formados em Coimbra, padres, comerciantes e militares.

O arcadismo termina no Brasil no ano de 1836, e abre as portas para o Romantismo. Algumas outras das principais características do arcadismo são:

– Ambiente tranquilo, idealização da natureza, cenário perfeito;

– As cidades são vistas como um local de corrupção e sofrimento;

– Luxo e riqueza são vistos com desprezo;

– Aproveitar o presente e a vida em função da incerteza do amanhã;

Índios como tema literário.

Arcadismo – Aula em Vídeo

Deixe um comentário!

anúncios:
COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA